Vídeo gravado ou ao vivo para postar nas mídias sociais?
Postado em 22/05/2020   | por Maíra Passos

Vídeo gravado ou ao vivo para postar nas mídias sociais?

As lives vêm tomando conta da rede durante esta quarentena. Mas qual o melhor formato de conteúdo para engajar o público?

Produzir conteúdo durante esta quarentena vem sendo um desafio para empresas, influenciadores digitais, profissionais autônomos e agências de comunicação. Até a imprensa, que pode (e deve) sair às ruas para atualizar as notícias, vem realizando boa parte das suas entrevistas à distância. Inclusive, o jornalismo televisivo está produzindo várias matérias com vídeos gravados pelo celular do próprio entrevistado ou através de chamadas de vídeos, muitas vezes transmitida simultaneamente ao vivo, pela televisão.

Nas mídias sociais, como Instagram, Facebook e YouTube, as lives bombaram! E continuam em alta após mais de dois meses de isolamento. Mas qual o melhor formato para postar? E por que não se investia tanto em vídeos ao vivo pelas redes sociais antes do isolamento social, devido ao novo coronavírus? Naturalmente, vídeo tende a engajar mais as pessoas, se comparado com texto, por exemplo. Assim, as duas formas podem ser válidas, de acordo com seu perfil/da sua marca e do público que acompanha.

Então, para tentar responder essas questões, precisamos entender melhor os “prós e contras” de cada formato:

Vídeo gravado

– Pra quem não tem muita intimidade com a câmera, começar gravando pode ser mais confortável, já que podemos parar, cortar e gravar de novo.
O vídeo gravado, geralmente, fica mais atrativo, visualmente, pois é possível selecionar as melhores partes, tirar informações/falas repetidas e inserir mais elementos visuais e imagens para “cobrir” as falas. Enfim, há muitas possibilidades de edições.
– Há edição. Um ponto forte para melhor o vídeo, mas também editar vai fazer com o que vídeo demore mais a entrar no ar. Já existem vários aplicativos de edição de vídeos para celular, que possibilita você mesmo editar, mesmo sem muitos conhecimentos em edição. Porém, pode levar um tempo danado… Mesmo que você tenha um profissional de edição, ele também vai precisar de um tempo para editar o vídeo. Ou seja, comparando com as lives, o vídeo gravado sempre vai demorar um pouco mais pra entrar no ar.
– Sem interação do público no vídeo. Vídeo gravado você não tem a possibilidade de participação do público que está assistindo. Porém, essa interação pode acontecer nos comentários da postagem.

Vídeo ao vivo (live)

– Tem interação do público! E com o distanciamento social, conversar com outras pessoas nas transmissões ao vivo foi uma forma que muitas marcas e criadores de conteúdo encontram para tentar fazer uma conexão mais humanizada e próxima dos seus clientes/público.
– O conteúdo vai ao ar na hora! Você não perde tempo editando, é uma forma de ter novos conteúdos de maneira mais rápida.
– Menos imagens (ou imagens menos atrativas). Usar imagens para sobrepor durante as transmissões ao vivo até é possível, mas requer mais conhecimento técnico de alguns programas (estúdios de edição) e nem todos funcionam em todas as mídias sociais. Principalmente na quarentena, que a maioria está acumulando funções, as imagens das lives são mais das pessoas mesma, com pouco movimentos de câmera.
Uma dica para dar mais dinâmica na imagem é tentar trazer outro elementos físicos para gravar, como mostrar um livro, fotos de elementos que estiver comentando pelo tablet, computador ou outro celular, escrever tópicos num quadro etc.
– Conexão da internet pode atrapalhar muito o vídeo. E se a conexão começa a cair, as pessoas vão deixando de acompanhar a live. Quando você faz com tela dividida, chamando outra pessoa para a live, o risco da conexão atrapalhar é em dobro.
– Errou? Não tem como editar! Mas com planejamento, fazendo um roteiro, é mais fácil de conduzir a live e, mesmo errando, você consegue retomar a conversa com mais tranquilidade.
– Vídeos ficam mais longos. Dependendo da mídia social (como Instagram e Facebook), mesmo salvando o vídeo, a retenção de pessoas que assistem até o final é menor.

Na verdade, a forma mais eficiente de saber qual o formato de vídeo vai ser melhor e engajar mais seu público é testando e ir percebendo como seus seguidores reagem a esses vídeos. Lembrando que para as duas formas um mínimo de planejamento e roteiro é importante para o conteúdo ter qualidade. E para fazer vídeos gravados ou ao vivo nas mídias sociais, a gente te ajuda a produzir e colocar no ar 🙂 Mais informações pelo e-mail redacao@mairacp.com, direct no Instagram ou inbox no Facebook.

Por Maíra Passos, jornalista e assessora de comunicação
Jornalismo, Unicap (2008)
MBA em Marketing, UPE (2010)
Pós-graduação em Influência Digital, PUC-RS (2020)
Mais no Linkedin

Categorias: Comunicação | Social Media |
Tags:,
Voltar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *