Categoria: Faculdade IDE Voltar

Coronavírus e os cuidados com a automedicação

Coronavírus e os cuidados com a automedicação

O coordenador da pós-graduação em farmácia clínica da Faculdade IDE, Diego Medeiros, alerta sobre o o uso de medicamentos por conta própria, como hidroxicloroquina, nitazoxanida, ivermectina e azitromicina

Normalmente, para combater os sintomas da gripe, a maioria recorre diretamente às farmácias em busca de analgésicos, antitérmicos, xaropes e descongestionantes. Apesar de muitos desses medicamentos estarem disponíveis nas prateleiras, já que podem ser adquiridos sem prescrição médica, não são isentos de riscos, como alerta o farmacêutico e mestre em inovação terapêutica Diego Medeiros, coordenador e professor da pós-graduação em farmácia clínica, com ênfase na prescrição farmacêutica da Faculdade IDE. Em tempos de coronavírus, então, os cuidados devem ser redobrados. Principalmente, porque vêm surgindo informações de novas medicações que podem auxiliar no tratamento da Covid-19.

“Por exemplo, quando inícios de estudos apontaram que a hidroxicloroquina, medicação usada para tratamento de lúpus, malária e artrite reumatoide, poderiam ser eficaz no combate ao coronavírus, muitas pessoas correram às farmácias por conta própria para garantir o estoque da medicação. Isso é muito perigoso, além de que ela não funciona de forma preventiva ou surte efeito com sintomas leves”, explica o farmacêutico, orientando que ela só deve ser tomada com orientação médica.

O mesmo aconteceu com a ivermectina, antiparasitário utilizado para o tratamento de filariose, oncocercíase, larva migrans e pediculose (infestação por piolhos), e a nitazoxanida (Anitta), antiprotozoário usado no combate aos vermes. Alguns estudos iniciais mostraram que esses remédios podem diminuir a carga viral do coronavírus. “São pesquisas que ainda precisam de mais evidências para comprovarem efeito em humanos, pois todos os testes ainda não foram realizados”, conta o coordenador da pós-graduação em farmácia clínica da Faculdade IDE, Diego Medeiros.

Outro medicamento que vem sendo usado de forma adjuvante para o tratamento do coronavírus é a azitromicina, antibacteriano. Isso porque, como o coronavírus diminui a imunidade do paciente, acaba sendo uma porta de entrada para outras doenças pulmonares causadas por bactérias. “Porém, esse antibiótico sempre precisou de retenção de receita para ser comprado nas farmácias”, esclarece Diego.

O farmacêutico lembra que hidroxocloroquina, cloqorquina, nitazoxanida também, em tese, precisariam de receita para a sua compra. Agora, a ANVISA recomenda a retenção da receita, igual aos medicamentos psicotrópicos e antibióticos. Já para a compra da ivermectina não há exigência de retenção da receita, mas precisa de receiturário.

“Como alguns dos sintomas da Covid-19 são semelhantes ao de uma gripe comum ou resfriado, a principal recomendação é para não usar esses medicamentos por conta própria, pois eles têm grau de toxidade levada e podem trazer efeitos adversos e complicações maiores. Embora não haja evidência que suporte o uso destes medicamentos, somente o médico assistente pode fazer a indicação terapêutica destes insumos, baseado numa avaliação crítica do paciente”, alerta o farmacêutico Diego Medeiros.

OUTRAS INFECÇÕES VIRAIS

Seja qual for a infecção viral, com um “simples” resfriado, que têm início mais lento e leve, ou uma gripe, sendo provocada, geralmente, pelos vírus Influenza (tipos A e B), os cuidados com a automedicação devem ser os mesmos. “O paciente pode e deve procurar orientação do farmacêutico na hora de comprar um remédio. Além de orientar o paciente quanto ao uso dos medicamentos, o profissional deve esclarecer que, se os sintomas não minimizarem com o uso dos medicamentos em determinado período, um médico deve ser procurado para uma investigação sobre o quadro do paciente”, explica o professor da pós-graduação em farmácia clínica da Faculdade IDE.

Entre os sintomas mais comuns de gripes e resfriados estão a coriza, irritação nos olhos, dor de garganta e tosse. Por se tratar de um transtorno autolimitado, até certo ponto, a população busca tratamento para os sintomas pontuais. “É comum o emprego de analgésicos para as dores e febre, anti-histamínicos e descongestionantes nasais para as corizas e entupimento do nariz. Inclusive, muitos medicamentos apresentam vários fármacos em associação num único comprimido ou cápsula, como Coristina e Multigripe”, conta o farmacêutico Diego Medeiros.

EFEITOS COLATERAIS

Mas qualquer um desses remédios, se usados com frequência e por um tempo maior que o recomendado, podem causar sérios prejuízos à saúde. Um deles são os descongestionantes, que trazem riscos com o uso prolongado. “Como evento adverso provoca o que chamamos de ‘efeito rebote’, quando o corpo adquire dependência a uma determinada substância. Então, na ausência dela, o organismo provoca sintomas que acabam estimulando você a administrar a substância. Por exemplo, o corpo causa congestão nasal se não administrar um descongestionante, tornando assim o paciente dependente do medicamento”, explica o professor de farmácia da Faculdade IDE Diego Medeiros.

Além disso, alguns descongestionantes podem ser absorvidos pela circulação e promover a ação em receptores ao longo do corpo, não somente na mucosa nasal, podendo causar problemas cardíacos. Segundo o farmacêutico, uma dica é usar solução hipertônica nasal, que é um soro fisiológico mais forte, como alternativa ao descongestionante nasal. Outro alerta é com os analgésicos e antitérmicos, podendo causar problemas gástricos. “O paracetamol não deve ser utilizado em grandes quantidades, pois oferece risco de toxicidade hepática. Já o AAS pode provocar sangramento nos pacientes. Logo, esses medicamentos não devem ser usados por mais de cinco dias. Caso persistam os sintomas, o médico deverá ser consultado para um diagnóstico mais preciso”, orienta professor de farmácia Diego Medeiros.

PROPAGANDA DE MEDICAMENTOS PARA GRIPES INCENTIVAM A AUTOMEDICAÇÃO? 

É comum ver muitos comerciais de medicamento para gripes. Mas é importante procurar um médico ou farmacêutico antes de usar até esses medicamentos “liberados”? De acordo com o coordenador e professor da pós-graduação em farmácia clínica da Faculdade IDE, Diego Medeiros, a busca pelos farmacêuticos se torna mais fácil à população, “pois estes medicamentos, em geral, são de venda livre e há uma cultura de que as pessoas já se diagnosticam por conta própria. O que, em si, não é errado. O farmacêutico, por estar presente com maior facilidade, tende a promover os esclarecimentos com mais facilidade”.

Além disso, as pessoas também tendem a minimizar a necessidade de ir a um médico, por muitas vezes acharem ser “só uma gripezinha”. “É aí que o farmacêutico, não só orienta o paciente quanto ao uso dos medicamentos, como deve orientar um médico deve ser procurado para uma investigação sobre o quadro do paciente, caso os sintomas não minimizarem com o uso dos medicamentos”, detalha o profissional de saúde, lembrando que as farmácias devem contar com farmacêuticos em tempo integral para prestar orientações quanto ao uso dos medicamentos.

Inclusive, a indicação e prescrição de medicamentos dentro da farmácia é uma prerrogativa exclusiva dos farmacêuticos, bem como a intercambialidade, ou seja, a troca de medicamentos. Isso porque, algumas pessoas acabam pedindo orientação para os atendentes nas farmácias, muitas vezes por não entendem as diferenças nas funções. “Os auxiliares de farmácia têm função primordial na farmácia, mas não compete a eles essa atividade, pois não possuem competência técnica para assumir essa responsabilidade”, explica o farmacêutico.

FACULDADE IDE

A Faculdade IDE, mantida pelo Instituto de Desenvolvimento Educacional, desde 2006, promove pós-graduações na área de saúde, contando com mais de 120 cursos nas áreas de medicina, enfermagem, farmácia, fisioterapia, nutrição, educação física, psicologia e fonoaudiologia. Autorizada pelo MEC, na portaria nº 852, de 30/12/18, passou a oferecer também graduações, como de Estética e Recursos Humanos. Com matriz no Recife e atuação no interior de Pernambuco, como Caruaru, Garanhuns e Petrolina, tem unidades também espalhadas por vários estados do Norte e Nordeste, como Ceará, Bahia, Alagoas, Paraíba, Rio Grande do Norte e Belém. Mais informações (81) 3465.0002, 0800 081 3256 e www.faculdadeide.edu.br.

Conteúdo produzido pela Maíra Passos Comunicação para divulgação da Faculdade IDE, através do nosso serviço de assessoria de imprensa.

No Dia do Autismo, especialistas explicam sobre adaptações durante a quarentena para crianças

No Dia do Autismo, especialistas explicam sobre adaptações durante a quarentena para crianças

Professores da pós-graduação em Transtorno do Espectro do Autismo (TEA) da Faculdade IDE dão dicas para as famílias neste período de isolamento

No mundo, há um caso de autismo para cada 45 pessoas. É o que mostra pesquisa realizada pelo Centre of Deseases Control and Prevention (EUA). Para promover o debate sobre o assunto, o dia 02 de abril, na próxima quinta-feira, é marcado como o “Dia Mundial da Conscientização do Autismo”. O chamado Transtorno do Espectro do Autismo (TEA) é uma síndrome que se caracteriza por desordens no desenvolvimento do cérebro, afetando, a comunicação social, imaginação e comportamentos repetitivos, principalmente. Até hoje, ainda não se sabe a causa, porém, vários estudos apontam para um valor genético importante.

O acompanhamento terapêutico de pessoas com autismo é importante, mas, em tempos de isolamento, quando essas atividades estão canceladas, a professora e coordenadora da pós-graduação em Transtorno de Espectro de Autismo, com ênfase na intervenção comportamental da Faculdade IDE Alessandra Sales, que atua há mais de 10 anos com autismo, explica que manter a rotina diária é fundamental. “Através das suas rotinas que a criança antecipa o que irá acontecer e adapta o seu comportamento à tarefa seguinte”, explica.

Segundo a especialista em autismo, a recomendação é estabelecer as atividades que irá inserir no decorrer do dia da criança, como um painel. Entre as sugestões: momento de autocuidado (banho e escovar dentes, por exemplo); estabelecer horários para refeições, estudo, exercícios físicos, brincadeiras, momentos de tecnologia, livre e com a família. Para as atividades acadêmicas, pode estimular o repertório pré-acadêmico e acadêmico do seu filho, respeitando o nível dele.

“Como cortar com as mãos ou tesouras diferentes tipos de papeis e fazer colagens, colorir desenhos, traçar linhas, fazer labirintos, copiar de números, letras, encontros vocálicos ou palavras, ditados de palavras, leituras e interpretações”, sugere. Já na hora do autocuidado, uma dica é utilizar pistas visuais dentro do banheiro, com algumas demonstrações e toques físicos, quando necessário, como passo a passo para lavar as mãos e escovar os dentes.

Como identificar o autismo?

Segundo a psicóloga Luana Passos, especialista em neuropsicologia e professora da pós-graduação em TEA, com ênfase em intervenção comportamental da Faculdade IDE, é possível identificar sinais de autismo antes mesmo do primeiro ano de vida. “Os sinais de alerta podem ser observados nos primeiros meses do bebê. Entre eles, não se jogar para o colo de quem aproxima as mãos e o chama, não atender ao chamado do seu nome quando é chamado e ausência do compartilhar atenção. Com esses comportamentos, é importante ter um acompanhamento médico mais minucioso e está alerta a um possível diagnóstico de TEA”, explica.

Já a fonoaudióloga Alessandra Sales, professora e coordenadora da pós-graduação em autismo da Faculdade IDE, diz que outros sinais de autismo mais notados em crianças acima de 1 ano, são atraso no desenvolvimento da linguagem, comportamentos restritos e repetitivos, além de dificuldade na interação. “Esses indivíduos precisam de estimulação o mais precocemente possível. As pessoas que convivem com eles devem ser pacientes, tentar ser o mais claro e objetivo possível sempre que der um comando e utilizar recursos visuais para facilitar a independência da criança, por exemplo. Cada ser é único. O interessante é os familiares buscarem ajuda de profissionais capacitados para ajudar nesse desenvolvimento”.

Independência de pessoas com autismo

Alessandra esclarece que é possível, com estímulos, o indivíduo com autismo conseguir independência. “Mas o grau do autismo influencia muito nesse aspecto. Em cada fase da vida desse indivíduo as dificuldades vão surgindo e precisam ser trabalhadas, por isso o acompanhamento é muito importante”. E, se por um lado pessoas com autismo apresentam algumas dificuldades, como compreender o que falam com ele, por outro apresentam uma memória visual preservada, mostrando que dicas ou pistas visuais organiza e gera previsibilidade de uma pessoa com TEA.

“Precisamos entender o funcionamento cognitivo e comportamental dessas crianças para entendermos as melhores estratégias a serem usadas e assim melhorar a qualidade de vida dessas crianças. O autista tem suas limitações sociais, mas essas podem ser minimizadas quando se é trabalhado corretamente. Então, é fundamental que cada criança tenha o acompanhamento terapêutico adequado para seu nível de desenvolvimento”, conta a psicóloga Luana Passos.

Autismo compromete outros sentidos?

E o autismo compromete outros sentidos? A maioria vai ter dificuldades na seja, seja em maior ou menor grau, “desde aqueles que não emitem sons, até os que tem dificuldade de usar a comunicação dentro de um contexto social”, de acordo com a fonoaudióloga Alessandra Sales. Os indivíduos com a síndrome também podem apresentar outras dificuldades associadas, como distúrbio de sono, dificuldades alimentares e andar na ponta dos pés.

Em relação a área motora, a pessoa autista não apresenta dificuldades específicas. “O que muitas vezes acontece é que as crianças autistas tendem a apresentar interesses restritos de atividades e geralmente a motora não está entre elas. Além disso, muitos esportes apresentam regras sociais, o que dificulta no entendimento e engajamento desses meninos em diferentes tipos de jogos”, detalha a psicóloga Luana Passos.

Importância da inclusão social de pessoas com autismo

Outro fator importante para o seu crescimento é a inclusão social, sendo fundamental que ele esteja inserido na sociedade. “A partir daí podemos oferecer instrumentos que facilitam essa inserção. Assim como uma pessoa com dificuldade de vista precisa usar óculos, a criança autista pode precisar de alguns instrumentos, a exemplo de uma pasta de comunicação para interagir com a sociedade”, pontua Luana. Sobre a necessidade de um acompanhamento terapêutico para a vida inteira, a professora da Faculdade IDE diz que vai depender de cada caso.

Independente do grau da síndrome, é também importante esclarecer que a criança pode e deve frequentar uma escola normalmente. “O que as escolas precisam é compreender que esse aluno irá precisar de um planejamento pedagógico adaptado e de mudanças simples na organização e estrutura da sala de aula. A clínica de estimulação e os profissionais que atendem essa criança é de fundamental importância nesse processo”, finaliza Luana.

FACULDADE IDE – A Faculdade IDE, mantida pelo Instituto de Desenvolvimento Educacional, desde 2006, promove pós-graduações na área de saúde, contando com mais de 120 cursos nas áreas de medicina, enfermagem, farmácia, fisioterapia, nutrição, educação física, psicologia e fonoaudiologia. Autorizada pelo MEC, na portaria nº 852, de 30/12/18, passou a oferecer também graduações, como de Estética e Recursos Humanos. Com matriz no Recife e atuação no interior de Pernambuco, como Caruaru, Garanhuns e Petrolina, tem unidades também espalhadas por vários estados do Norte e Nordeste, como Ceará, Bahia, Alagoas, Paraíba, Rio Grande do Norte e Belém. Mais informações (81) 3465.0002, 0800 081 3256 e www.faculdadeide.edu.br.

Conteúdo produzido para divulgação da Faculdade IDE, através do nosso serviço de assessoria de imprensa.

Faculdade IDE lança vestibular para graduações de estética e recursos humanos

Faculdade IDE lança vestibular para graduações de estética e recursos humanos

O processo seletivo acontece através de prova tradicional, agendada, com nota do ENEM, portador de diploma ou transferência

A Faculdade IDE, mantida pelo Instituto de Desenvolvimento Educacional, instituição que atua com cursos de extensão e pós-graduação na área de saúde há 13 anos, está com inscrições abertas para o vestibular dos seus cursos de graduação na capital pernambucana. O processo seletivo é gratuito e voltado para as graduações em Gestão de Recursos Humanos e Gestão de Estética Cosmética, cursos autorizados pelo MEC – credenciada pela portaria nº 852, de 30 de novembro de 2018. (mais…)

Instituto de Desenvolvimento Educacional completa 13 anos

Instituto de Desenvolvimento Educacional completa 13 anos

Mantenedora da Faculdade IDE, a instituição de educação está presente em nove estados do N/NE e conta com mais de 130 cursos de extensão e pós-graduação na área de saúde

Com expertise na realização de cursos de extensão e pós-graduação na área de saúde, o Instituto de Desenvolvimento Educacional (IDE) completa 13 anos de atuação. Pernambucana, com matriz no Pina, no Recife, a instituição é mantenedora da Faculdade IDE, lançada no final do ano passado, autorizada pelo MEC, na portaria nº 852, de 30 de novembro de 2018. Ao longo dos anos, foi expandindo para outras cidades, como Caruaru, Ganhanhus, Serra Talhada e Petrolina, e novos estados. Atualmente, está presente no Norte e Nordeste, como Amazonas, Pará, Ceará, Paraíba, Alagoas, Rio Grande do Norte, Sergipe e Bahia, além de Pernambuco.

Idealizado pelo empresário Fernando Fernandes, ao lado de Nathália Melo, que eram jovens empreendedores, na época (2006), com 25 e 22 anos, respectivamente, o IDE foi lançado com apenas um curso, uma pós-graduação na área de fisioterapia, em local terceirizado. Com o sucesso da primeira turma, foi crescendo e surgindo a ideia de realizar outras especializações na área de saúde. Hoje, são mais de 130 cursos de extensão e pós-graduações latu sensu em medicina, enfermagem, fisioterapia, nutrição, educação física, fonoaudiologia, psicologia, farmácia, biomedicina e multiprofissionais.

Com vários cursos pioneiros no estado e no Brasil, entre os destaques, a de personal trainer, para profissionais de educação física, a gestão e segurança de serviços de alimentação coletiva, direcionada a nutricionistas, e o MBA em Gestão e Empreendedorismo na Educação Física e Esporte, únicas oferecidas em Pernambuco, Já a pós-graduação em gerontologia é a única latu sensu pernambucana cadastrada pela Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia; e a de enfermagem forense, credenciada pela Associação Brasileira de Enfermagem Forense, foi a primeira do país.

Há ainda pós-graduações em medicina nucelar, fisioterapia em uroginecologia e obstetrícia, enfermagem em UTI geral, farmácia clínica, hematologia clínica e controle de qualidade dos alimentos. Nutrição clínica, fisioterapia dermatofuncional e cosmetologia, enfermagem em neurologia e neurociência, transtorno do espectro de autismo, treinamento funcional, treinamento de força e bases teórica para avaliação e prescrição do exercício físico são mais cursos que fazem parte da lista de especializações da Faculdade IDE.

Para médicos, outras opções são a de cardiologia, clínica médica, nutrologia e medicina em urgência e emergência, além de medicina legal e perícias médicas – o primeiro que une as duas especialidades em uma única pós-graduação, tendo chancela da Associação Brasileira de Medicina Legal e Perícias Médicas. A duração das especializações varia, mas a média é de 18 a 22 meses. E a Faculdade IDE conta com parcerias com várias instituições e empresas para promover o aprendizado na prática, através de estágios profissionais. Outro diferencial é foco na gestão de carreiras e empreendedorismo, tendo os cursos disciplinas voltadas desenvolver habilidades nessas áreas. Além disso, vários cursos contam com laboratórios.

Já na programação curricular, a instituição agrega workshops, palestras, congressos e cursos de extensão em várias áreas, incluindo opções gratuitas, atividades que são realizadas ao longo do ano letivo, a exemplo do seu projeto Café com especialistas. No seu corpo docente, conta com professores especialistas, mestres e doutores renomados em suas respectivas áreas de atuação. A Faculdade IDE fica na Rua Manuel de Brito, nº 311, Pina (Recife, PE). Informações: (81) 3465.0002 e www.faculdadeide.edu.br.

SERVIÇO

Endereço (sede): Rua Manuel de Brito, 311 – Pina, Recife (PE)
Telefones: (81) 3465.0002 e 0800 081 3256
www.faculdadeide.edu.br

O Instituto de Desenvolvimento Educacional e Faculdade IDE conta com assessoria de imprensa da Maíra Passos Comunicação desde 2016.

Autismo e suas possibilidades serão discutidos em encontro com profissionais do Brasil e exterior

Autismo e suas possibilidades serão discutidos em encontro com profissionais do Brasil e exterior

Com inscrições já abertas, o evento acontece dias 08 e 09 de novembro, no Mar Hotel e na Faculdade IDE. A programação inclui palestras e minicursos

Com o objetivo de sensibilizar e conscientizar a sociedade, em especial os estudantes e profissionais em diferentes áreas de atuações, sobre o tema Transtorno do Espectro do Autismo (TEA), suas possibilidades de tratamento e prognóstico, a Faculdade IDE, junto com a SOMAR (clínica especializada em atraso do desenvolvimento), promove, nos dias 08 e 09 de novembro a primeira edição do “TEA Meeting”. Com o tema geral “A Autismo e suas possibilidades”, as palestras do evento acontecem no Mar Hotel (Boa Viagem, Recife). Já os minicursos serão ministrados na Faculdade IDE (Pina, Recife).

O “TEA Meeting” reúne também profissionais renomados nacional e internacionalmente da área de saúde, como Jason Garner (Dubai), Paulo Nascimento (CE), Maria Fernanda Cestari (SP), Adriana Zinki (SP), Diogo Lovato (SP) e Marcelo Cairrão (PE), entre outros profissionais da Faculdade IDE, além de pais de portadores de autismo e um jovem autista. Participam das discursões profissionais de diferentes áreas, como: análise aplicada do comportamento, fonoaudiologia, genética, neurociência, odontologia, psicologia, psiquiatria e terapia ocupacional.

As palestras, mesas redondas e minicursos abordam temas importantes para o tratamento do autismo. Entre eles: a integração sensorial como intervenção fundamental para o autismo; comportamento inadequado no autismo; seletividade alimentar no autismo; neurofeedback e o autismo; o autista na escola e alfabetização; intervenção com TEA na fase adulta; a odontologia no paciente com TEA; atualização sobre genética e autismo; e escalas e avaliações de TEA. Haverá ainda relatos de experiências com autismo.

Uma das discursões mais esperadas evento será sobre o autismo na fase adulta, assunto pouco debatido atualmente e que será levantado por Jason Garner, de Dubai. “Acreditamos que olhando o autismo em todos os seus aspectos, veremos a importância de conhecer as diferentes possibilidades e oportunidades. Assim, queremos que nosso evento seja cenário para quebra de paradigmas e aceitação de uma neurodiversidade”, revela a organização.

As inscrições para participar da primeira edição do “TEA Meeting” já estão abertas, através do site do evento (www.doity.com.br/teameeting). O investimento para participar do ciclo de palestras, com 15 horas, é de R$ 280. Já o valor por minicurso, com 4 horas, cada, custa R$ 180. E só poderão se inscrever nos minicursos os participantes inscritos do ciclo de palestras. Há certificado online. O Mar Hotel está localizado na Rua Barão de Souza Leão, 451, Boa Viagem (Recife, PE). E a Faculdade IDE fica na Rua Manoel de Brito, 311, Pina (Recife, PE).

SOBRE A ORGANIZAÇÃO

Na realização do evento, realizado pela Faculdade IDE, instituição que atua há mais de 12 anos com pós-graduações na área de saúde, com sede no Recife e atuação em nove estados do Norte e Nordeste. Entre os mais de 130 cursos de especializações da faculdade, a pós-graduação em “Transtorno do Espectro do Autismo, com ênfase em intervenção comportamental”, que tem coordenação pedagógica da SOMAR, clínica especializada em atraso do desenvolvimento.

Também parceira neste evento, a SOMAR fica no Recife e é uma instituição que se destaca na área de autismo, tendo como missão estimular o desenvolvimento de crianças e jovens com autismo de forma multidisciplinar e personalizada. O encontra conta ainda com apoio Centro Ativa de Terapia Comportamental, instituição localizada em São Paulo, Tismoo, A Turma lá da Rua e Sorriso Especial.

SERVIÇO

O quê? Tea Meeting – 1º Encontro de Autismo

Quando: 08 e 09 de novembro de 2019

Onde (palestras): Mar Hotel – Rua Barão de Souza Leão, 451, Boa Viagem, Recife

Onde (minicursos): Faculdade IDE – Rua Manoel de Brito, 311, Pina, Recife

Investimento: R$ 280 (ciclo de palestras/15h) e R$ 180 (por minicurso/4h cada).

Inscrições: através do site www.doity.com.br/teameeting

O Instituto de Desevenvolvimento Educacional conta com assessoria de imprensa da Maíra Passos Comunicação desde 2016.

Congresso Brasileiro de Especialidades de Enfermagem, em sua quinta edição, está com inscrições abertas

Congresso Brasileiro de Especialidades de Enfermagem, em sua quinta edição, está com inscrições abertas

Neste ano, o evento acontece em Fortaleza (CE), nos dias 06, 07 e 08 de dezembro, e conta palestras de profissionais de várias partes do Brasil

Estão abertas as inscrições para a quinta edição do Congresso Brasileiro de Especialidades de Enfermagem (CBEE), realizado pela Faculdade IDE. Com o tema “A Enfermagem Enquanto Essência e Propósito”, o evento será realizado entre os dias 06 a 08 de dezembro, no Centro de Eventos do Ceará, em Fortaleza, e a expectativa é de que participem mais de 1.200 pessoas, entre estudantes e profissionais de enfermagem.

O congresso terá a presença de grandes nomes da enfermagem nacional contado das suas experiências e ensinando quais caminhos podem ser desbravados para o desenvolvimento de uma enfermagem cada vez mais qualificada. Serão cerca de 13 palestras e debates.

Entre as palestrantes mais aguardadas está Cláudia Laselva, enfermeira e gestora da Clínica Médica Cirúrgica do Hospital Israelita Albert Ainstein (SP). Ela irá falar sobre a formação do perfil de competências do enfermeiro especialista em anestesia, pois a prática da anestesia, que ainda não é autorizada no Brasil, mas já vem sendo realizada em outros país.

“A ideia é compartilhar experiências exitosas de enfermeiros para enfermeiros. É um congresso de enfermagem feito exclusivamente por enfermeiros. Vamos discutir temas como a segurança do paciente, a gestão de competências, habilidades gerenciais, neonatologia, cardiologia e hemodinâmica, praticas avançadas em enfermagem entre outros”, comenta o presidente do CBEE, Gilmar Júnior, enfermeiro, professor e coordenador do núcleo de pós-graduação em enfermagem da Faculdade IDE.

Enfermeiros e graduandos em enfermagem podem se inscrever através do site do www.cbeeoficial.com.br , com investimento de R$ 300,00 (estudantes de enfermagem e alunos da Faculdade IDE) e R$ 400,00 (profissionais), no valor do terceiro lote, disponível até 02 de agosto. Estudantes e profissionais da área também podem submeter trabalhos para serem apresentados no evento até 30 de setembro pelo do evento, no link https://cbeeoficial.com.br/submissao-artigos/.

Os congressistas terão direito a coffee breaks e certificado online de participação do congresso. Mais detalhes sobre os palestrantes, inscrições e a programação completa do quinto Congresso Brasileiro de Especialidades em Enfermagem podem ser acessadas no site www.cbeeoficial.com.br. Mais informações através dos telefones 0800 081 3256 e (81) 3465.0002 ou pelo e-mail marketing@faculdadeide.edu.br.

CBEE EM FORTALEZA

O CBEE já passou pelo Recife, Natal e Fortaleza. Neste ano, volta à capital cearense, onde a Faculdade IDE, instituição especializada em cursos de extensão e pós-graduação na área de saúde com mais de 12 anos de atuação, inaugurou nova sede e expandiu suas atividades recentemente e conta com várias pós-graduações na área de enfermagem.

Entre as pós-graduações oferecidas na cidade de Fortaleza, estão: Aleitamento materno e banco de leite humano; Enfermagem em urgência e emergência; MBA em gestão de serviços de saúde com ênfase em segurança do paciente e qualidade hospitalar; Enfermagem em UTI neonatal e pediátrica; Enfermagem em neurologia e neurocirurgia; Saúde coletiva; Enfermagem em saúde da mulher; Enfermagem em cardiologia e hemodinâmica; Enfermagem em oncologia e cuidados paliativos; e Enfermagem em UTI geral com ênfase em gestão de UTI.

FACULDADE IDE

A Faculdade IDE, mantida pelo Instituto de Desenvolvimento Educacional, desde 2006, promove pós-graduações na área de saúde, contando com mais de 120 cursos nas áreas de medicina, enfermagem, farmácia, fisioterapia, nutrição, educação física, psicologia e fonoaudiologia. Autorizada pelo MEC, na portaria nº 852, de 30/12/18, passou a oferecer também graduações, como de Estética e Recursos Humanos. Com matriz no Recife e atuação no interior de Pernambuco, como Caruaru, Garanhuns e Petrolina, tem unidades também espalhas por vários estados do Norte e Nordeste, como Ceará, Bahia, Alagoas, Paraíba, Rio Grande do Norte e Belém. Mais informações (81) 3465.0002, 0800 081 3256 e https://www.faculdadeide.edu.br/.

SERVIÇO 

Quando: 06 a 08 de dezembro de 2019
Local: Centro de Eventos do Ceará – Avenida Washington Soares, 999, Edson Queiroz (Fortaleza, CE)
Inscrições: R$ 300,00 (estudantes de enfermagem e alunos da Faculdade IDE) e R$ 400,00 (profissionais), no valor do terceiro lote, até 02 de agosto, através do site www.cbeeoficial.com.br
Informações: 0800 081 3256, (81) 3465.0002 ou marketing@faculdadeide.edu.br
https://www.faculdadeide.edu.br

O Instituto de Desevenvolvimento Educacional conta com assessoria de imprensa da Maíra Passos Comunicação desde 2016.

Os perigos da automedicação

Os perigos da automedicação

O coordenador do núcleo de pós-graduação em farmácia da Faculdade IDE, Diego Medeiros, alerta sobre os riscos de tomar remédios por contra própria

Quem nunca sentiu uma dor ou incomodo e tomou um remédio sem prescrição médica? Ou que pediu um comprimido de um parente ou amigo porque está com os sintomas parecidos com o dele? A prática acontece com frequência, mas é preciso tomar muito cuidado com o uso de medicamentos sem orientação médica ou de um farmacêutico, pois a prática pode ser muito perigosa para saúde.

“A automedicação deve ser analisada sob duas perspectivas. A primeira envolve a autonomia do paciente em reconhecer uma condição de saúde que lhe cause incômodo, como por exemplo, uma dor de cabeça e azia, para que a partir disso possa escolher um tratamento para uma condição que podemos considerar como autolimitada”, explica o farmacêutico Diego Medeiros, coordenador e professor do núcleo de pós-graduação em farmácia da Faculdade IDE.

“Por outro lado, esse próprio reconhecimento leva a uma utilização de medicamentos que por muitas vezes não são observadas questões referentes à dosagem e duração do tratamento, bem como situações inerentes ao armazenamento e a administração do produto farmacêutico”, alerta o docente sobre os riscos da prática mesmo tendo ciência do seu problema.

A automedicação pode agravar um estado clinico simples e trazer graves consequências. “Um claro exemplo é a utilização prolongada de algum medicamento para combater um sintoma, como uma dor de cabeça. Essa dor de cabeça pode ser um sinal que o corpo está emitindo de que algo não está bem e que precisa de uma análise mais detalhada, preferencialmente avaliada por um médico para diagnosticar a causa. Se o paciente fizer uso constante de um analgésico, estará melhorando a dor no momento, mas sob o risco de estar mascarando a causa”, atenta o especialista.

“Os medicamentos podem provocar eventos adversos que em muitos casos são indesejáveis e a utilização crônica de alguns fármacos por conta própria podem desenvolver situações clínicas que poderiam ter sido evitáveis. A utilização crônica de fármacos para combater ou prevenir dores no estômago, como o omeprazol, se utilizados por muito tempo podem levar o paciente a desenvolver anemia pela diminuição da absorção de ferro proveniente da alimentação”, exemplifica.

Existem alguns remédios que o paciente pode comprar nas farmácias sem ter o receituário médico, são os chamados Medicamentos Isentos de Prescrição (MIP) e muitas pessoas recorrem a eles para casos estados mais brandos. “São medicamentos considerados seguros e utilizados para condições consideradas autolimitadas que tendem a ser contornadas com a utilização de um medicamento sem que haja necessidade de, a princípio, um diagnóstico médico”, esclarece o coordenador do núcleo de pós-graduação em farmácia da Faculdade IDE.

Mas para fazer uso de tais substâncias, é aconselhável que o farmacêutico do estabelecimento seja consultado, pois nestes casos é dele a competência da indicação. “Antes de prosseguir com a prescrição, é fundamental que o farmacêutico converse com o paciente ou com o seu cuidador para obter elementos que permitam avaliar a condição do paciente e busque entender desde quando o paciente apresenta os sintomas, se há algo que melhore ou piore, como começou e onde começou. Isso leva o farmacêutico a ser mais assertivo em sua decisão clínica”, orienta o profissional de farmácia sobre como é feito o procedimento.

Quem costuma consumir fármacos sem orientação de um médico ou um profissional graduado em farmácia, deve ficar atento aos sinais de que a automedicação está fazendo mal para sua saúde. Em alguns casos, o sintoma pode parecer de algo que não é grave, por isso a importância de investigar o caso e não usar mais aquele tipo de substância. Há indícios que levam o paciente a identificar que a automedicação está prejudicando o seu organismo. “Por exemplo, quando há recorrência de dores estomacais (comum com o uso de anti-inflamatórios) ou infecções intestinais recorrentes (comum com o uso contínuo de fármacos para diminuir a acidez estomacal) ”, alerta o professor de farmácia da Faculdade IDE.

ARBOVIROSES

Os sintomas de arboviroses, como a zika, chikungunya e dengue, para muitos enfermos são muito intensos e o uso de compostos químicos ajudam a aliviar os incômodos causados pela doença. Mas a ingestão dessas substâncias sem que haja orientação pode agravar ainda mais o caso. “Se não houver o devido acompanhamento, as pessoas podem estar utilizando medicamentos em dosagens elevadas para poder contornar sintomas como uma febre alta. Nesse caso, o fato de estar mascarando a febre alta com medicamentos pode levar o paciente a complicações e agravos da condição clínica”, alerta Medeiros.

FACULDADE IDE

A Faculdade IDE, mantida pelo Instituto de Desenvolvimento Educacional, desde 2006, promove pós-graduações na área de saúde, contando com mais de 120 cursos nas áreas de medicina, enfermagem, farmácia, fisioterapia, nutrição, educação física, psicologia e fonoaudiologia. Autorizada pelo MEC, na portaria nº 852, de 30/12/18, passou a oferecer também graduações, como de Estética e Recursos Humanos. Com matriz no Recife e atuação no interior de Pernambuco, como Caruaru, Garanhuns e Petrolina, tem unidades também espalhas por vários estados do Norte e Nordeste, como Ceará, Bahia, Alagoas, Paraíba, Rio Grande do Norte e Belém. Mais informações (81) 3465.0002, 0800 081 3256 e https://www.faculdadeide.edu.br/.

O Instituto de Desevenvolvimento Educacional conta com assessoria de imprensa da Maíra Passos Comunicação desde 2016.

Café Web traz palestras sobre carreiras e saúde da mulher

Café Web traz palestras sobre carreiras e saúde da mulher

Promovido pela Faculdade IDE, o evento online é gratuito e acontece entre os próximos dias 26 e 29, sempre às 19h. Inscrições estão abertas

Em comemoração ao mês da mulher, a Faculdade IDE (Pina, Recife) promove palestras gratuitas com foco no protagonismo feminino, através do projeto Café Web. Carreira e saúde da mulher estão entre os temas abordados no evento, que acontece online, com vídeos transmitidos entre os próximos dias 26, 27, 28 e 29, sempre às 19h. Para assistir ao conteúdo, é preciso fazer uma inscrição prévia, através do link http://materiais.faculdadeide.edu.br/cafe-web-mes-da-mulher.

(mais…)